fbpx

 

 

Nesta matéria, vamos explicar porque o GRIS (Gerenciamento de Riscos) é cobrado, como calculá-lo e em quais situações ele deve estar incluso no valor do frete. 

Além disso, vamos dar uma dica valiosa para você calcular todas as taxas e impostos em menos de 3 segundos! Se quer saber como, leia até o final.

 

O que é GRIS?

O GRIS (Gerenciamento de Riscos) é uma taxa que compõe o valor do frete e é cobrado para cobrir os custos com medidas que visam combater os roubos de carga. Desde 2001, ele substitui o antigo Ademe (Adicional de Emergência). Muitas vezes, o GRIS compõe o Ad Valorem.

Sistemas de rastreamento de veículos por GPS, seguros e os salários dos monitores de equipamento de rastreamento são alguns dos investimentos cobertos pelo GRIS.

 

Em quais situações essa taxa é cobrada?

Esta taxa está relacionada ao tipo de mercadoria a ser transportada. Geralmente são cobradas em transportes de produtos com alto valor agregado ou alto índice de roubo de carga como, por exemplo, produtos eletrônicos, cigarros ou pneus. Por outro lado, para alguns produtos como pedra ou areia, por exemplo, o GRIS não é cobrado, pois não são tão atrativos para o roubo.

 

Quais custos são cobertos pelo Gerencimento de Riscos?

Segundo a NTC&Logística (Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística), os custos de gerenciamento de riscos, relacionados com o roubo de cargas, podem ser classificados como:

  • 1. Seguros facultativos de desvios de cargas (RCF-DC)

 

  • 2. Salários
    • Monitores de equipamentos de rastreamento e segurança
    • Horas extras
    • Obrigações sociais

 

  • 3. Investimentos
    • Investimentos em sistema de rastreamento e monitoramento
    • Taxas de habilitação dos equipamentos
    • Retorno do investimento
    • Reposição do equipamentos

 

  • 4. Custos operacionais de gerenciamento de riscos
    • Bilhetagem
    • Air Time
    • Consultas a cadastros de carreteiros
    • Escoltas

 

Como o GRIS é calculado?

São muitas as variáveis analisadas na composição dessa taxa, mas seu cálculo final é simples e similar ao do Ad Valorem. Multiplica-se o valor total da mercadoria pelo percentual do GRIS.

Referente a alíquota do GRIS, o valor de referência sugerido pelo NTC&Logística é de 0,30%  com o mínimo de R$3,00 por conhecimento de transporte.

Vamos a um exemplo de cálculo:

Valor total da mercadoria: R$1.500,00

Alíquota: 0,3%

R$1.500,00 X 0,3% = R$4,50

Neste caso, o valor do GRIS será R$4,50.

 

A forma mais fácil de calcular o GRIS

Explicamos até agora quais são as regras para calcular o GRIS. Na prática, existem duas formas de fazer esse cálculo:

  • manualmente, usando calculadora ou planilha de Excel. O problema desse método é que você gasta muito tempo para calcular e ainda está sujeito a erros (como qualquer trabalho manual, que tem o “dedinho humano”);
  • automaticamente, usando um sistema que faça o cálculo para você. A grande vantagem do cálculo automático é que você não precisa fazer praticamente nada, o sistema já faz tudo para você em menos de 3 segundos. Com isso, além de ganhar tempo para focar em tarefas mais importante, você tem mais segurança, porque a chance de haver erros no cálculo é praticamente zero.

É importante lembrar que, além do GRIS, existem muitas outras taxas e impostos (Cubagem, Ad Valorem, ICMS, ISSEMEX, TDA, TDE) que precisamos calcular toda vez que vamos cobrar um frete. Fazer todos esses cálculos na mão ou em planilha é muito demorado, além do risco de erros, que trazem muito prejuízo.

Afinal, quando falamos de cálculo de frete, não estamos tratando apenas com números, estamos lidando com dinheiro!

Se você, assim como eu, não está disposto a perder dinheiro à toa, veja nessa outra matéria qual é a forma mais inteligente e segura de fazer o cálculo do GRIS e de todos os outros componentes para cobrar o frete.

 

Leia também: A forma mais fácil de cobrar frete no transporte de cargas

 

O que achou desse artigo? Deixe seu comentário!

 

taxas de frete - ad valorem

 

 

 

 

Comentários

Dúvidas? Entre em contato!