fbpx

Em vez de ler, que tal assistir ao vídeo?

Os tipos de cargas frigorificadas

Hoje, vamos falar sobre um dos serviços de transporte mais usados do país: o de carga frigorificada e congelada. Bom, para começar, podemos enquadrar duas categorias de mercadoria frigorificadas: os perecíveis e os congelados.

Como perecíveis, geralmente são transportados frutas e legumes, como banana, manga, batata, etc. Já os congelados são aqueles que precisam de refrigeração entre -15ºC e -20ºC para não estragarem, como carnes em geral e alimentos industrializados congelados, como lasanhas, hambúrgueres, pão de queijo, pizza, etc. Esse tipo de transporte exige cuidados especiais com higiene e limpeza e gastos constantes na manutenção dos sistemas de refrigeração.

 

Regras e procedimentos no transporte de carga frigorificada

A regulamentação mais recente sobre o transporte de produtos alimentícios refrigerados é a norma NBR 14701, que entrou em vigor em 29 de junho de 2002. 

O objetivo dela é normatizar a manutenção da temperatura adequada para cada produto ao longo de todas as etapas do transporte para garantir a sua integridade e a manutenção da sua qualidade inicial até a chegada no destinatário.

A norma abrange desde a embalagem, unitização, movimentação, preparação de docas, uso de registradores de temperatura nos estoques e nos transportes, entre outras atividades.

A NBR 14701 indica os seguintes requisitos:

  • Estocagem

Neste item, está inclusa a estocagem feita tanto na câmara frigorífica do embarcador quanto na câmara frigorífica do recebedor.

A câmara frigorífica deve manter a temperatura do produto sempre dentro do recomendado, ou mais baixa, com o mínimo de oscilação. 

Para isso, a norma indica que devem ser feitas medidas frequentes, de preferência com registradores ou instrumentos que monitorem continuamente a temperatura.

A norma diz também que deve ser adotado um sistema de rotação do estoque, dentro do princípio PEPS (Primeiro que Entra, Primeiro que Sai).

 

  • Deslocamento, carga, descarga e transporte

Deve sempre ser feito por caminhões capazes de manter a temperatura ideal do produto.    

Por exemplo, no caso do transporte de carnes, a carroceria frigorífica deve ter, obrigatoriamente, sua temperatura do ar interno reduzida e estabilizada por 15 minutos antes da entrada da mercadoria, além de possuir instrumentos para registrar a temperatura do ar interno durante o transporte.

Segundo a norma, o processo de carga e descarga deve ser realizado da maneira mais ágil possível para evitar que ocorra o aumento da temperatura da carga por conta de atrasos ou falhas logísticas.

Além disso, a norma enfatiza que o compartimento de transporte deve estar seco, livre de aromas ou odores e sempre em boas condições de higiene e limpeza.

Segundo a NBR 14701, a manutenção das temperaturas recomendadas é de responsabilidade do embarcador, do transportador e o recebedor do produto transportado.

Sendo assim, tanto o transportador quanto o destinatário devem estar cientes quanto à temperatura da carne e demais procedimentos. Além disso, o processo de verificação da temperatura do produto durante as operações de carga e descarga deve ser feito sempre em ambientes com temperatura controlada e de acordo com as temperaturas recomendadas para cada produto.

A norma também estabelece que todas as atividades em ambientes refrigerados devem ser feitas sempre por pessoal capacitado e devidamente protegido pelos EPI (Equipamento de Proteção Individual)

Vale lembrar que o não cumprimento desta norma pode resultar em sérias consequências, afetando principalmente a qualidade da carga transportada, que pode gerar até mesmo avarias.

E então, o que achou dessa matéria? Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.

Muito obrigada e até a próxima!

 

 

Quer simplificar sua transportadora com o Active Trans?

Preencha o formulário e entraremos em contato com você:

 

 

Comentários

Dúvidas? Entre em contato!